DESCUBRA AGORA TODOS OS MISTÉRIOS POR TRÁS DA MASTOPEXIA, A CIRURGIA QUE ELEVA AS SUAS MAMAS!

Tempo de leitura: 16 minutos

           Mastopexia é o nome dado à cirurgia plástica responsável pelo embelezamento das mamas através da retirada do excesso de pele e reposicionamento do tecido mamário.

 

 

 

 

 

Ptose mamária é o nome dado à “queda das mamas”. Consideramos queda das mamas quando ocorre uma dobra de pele na porção inferior das mamas, também conhecida entre nós como “teste do lápis positivo”.

 

 

 

 

As ptoses mamárias podem ocorrer em qualquer idade. É mais comum após amamentações ou em pacientes mais idosas. Porém, também há um fator genético que pode fazer com que meninas e mulheres muito jovens apresentem essa queixa em relação às mamas logo cedo.

Vamos estudar um pouco mais a anatomia das mamas e notar que elas são compostas “por dentro” de glândula mamária e gordura. Quanto mais gordura ela tiver, ou seja, em pacientes acima do peso, ela se torna mais pesada, fazendo com que a pele não consiga mais sustentá-la na posição correta e acabe caindo. A obesidade e o sobrepeso também são fatores que podem causar as ptoses mamárias.

 

 

Costumamos dividir as ptoses mamárias da seguinte forma:

 

 

  • PTOSE GRAU I – Quando a aréola está mais baixa do que deveria. Há uma dobra de pele na porção inferior, mas ela é leve.
  • PTOSE GRAU II – A aréola e o tecido mamário estão baixos. Mas ainda há tecido mamário visível abaixo da posição da aréola.
  • PTOSE GRAU III – A aréola está muito baixa, localizada na porção inferior das mamas. O tecido mamário não é visível abaixo dela.
  • PSEUDOPTOSE – É a ptose falsa ou falsa queda das mamas. Quando a aréola está na posição correta, porém houve queda apenas do tecido mamário.

 

Assim, ficará mais fácil o seu entendimento sobre as ptoses mamárias ao longo do texto.

 

                                         E então, bóra lá?

http://www.marladeaguiar.com.br/mastopexia/

 

 

 

 

PARA QUEM A MASTOPEXIA DEVE SER INDICADA?

 

A mastopexia é indicada para pacientes com queixas do formato e posição das mamas e que apresentem ptoses mamárias graus II ou III. A cirurgia permite o reposicionamento e elevação das mamas. Poderá reduzir pequenos volumes dos seios, ou até aumenta-los através da inclusão de próteses mamárias de silicone.

Também, através da mastopexia, será possível a redução do volume das aréolas, além de seu reposicionamento.

 

 

Pacientes que, além de reposicionar as mamas, desejam também reduzí-las, deverão realizar a mamoplastia redutora, outra cirurgia plástica responsável pela redução dos tecidos mamários.

A paciente ideal para a realização dessa cirurgia é aquela que possui muito incômodo com o formato das mamas e estejam conscientes das cicatrizes resultantes com a cirurgia e dispostas a tomarem todos os cuidados que forem recomendados.

O sucesso da cirurgia só será alcançado se a paciente e o cirurgião plástico (ou cirurgiã plástica, como no meu caso..rs) estiverem muito satisfeitos com o resultado!

MASTOPEXIA

COMO É REALIZADA A MASTOPEXIA?

 

 

A cirurgia se inicia no quarto do Hospital, logo após a internação da paciente. Mas calma, não será no quarto que a cirurgia será realizada!rs. Digo que no quarto começa pois iremos realizar as marcações cirúrgicas. Trata-se de desenhos realizados com uma caneta específica na pele, para demarcarmos todas as incisões e a pele que será retirada. Nesse momento, conversaremos mais uma vez sobre todos os desejos da paciente e realinharemos toda a cirurgia.

Logo após as marcações, o anestesista passará em seu quarto para conversar com você e realizar a medicação pré-anestésica. É um sedativo realizado intramuscular que a ajudará a relaxar enquanto é conduzida ao centro cirúrgico.

Durante a cirurgia, o excesso de pele marcado anteriormente será retirado. Pontos específicos são dados na glândula mamária para reposicioná-la e uma pequena quantidade de tecido mamário (aquele que estava “caído”) deverá ser retirado para que a ptose não retorne.

Sempre deveremos enviar esse tecido mamário retirado para uma análise em laboratório. É apenas um excesso de zelo. Devido à constante preocupação com o câncer de mama nas mulheres, é prudente que aproveitemos a retirada desse tecido para analisar e garantir a saúde das mamas de cada paciente. Por isso, não se assustem! Muito provavelmente nada de anormal foi encontrado no seu tecido mamário. Realizamos esse procedimento de rotina.

http://www.marladeaguiar.com.br/como-sera-minha-internacao-hospitalar/

 

 

            COMO SÃO ELEVADAS AS ARÉOLAS DURANTE A MASTOPEXIA?

 

É muito comum as pacientes acharem que nós retiramos as aréolas, as guardamos e, logo após a cirurgia, as costuramos nas mamas novamente. Mas a cirurgia não é realizada assim!

Existe até uma técnica em que as aréolas são totalmente retiradas e posteriormente recolocadas, chamada Torek. É indicada para casos de gigantomastias (mamas extremamente grandes) e distância muito grande de subida das aréolas. Nesses casos, sabemos que com a técnica convencional não conseguiremos manter a vascularização das aréolas e elas acabarão “morrendo”. Então, optamos por essa técnica de enxertia dos mamilos. Mas, não conseguiremos garantir o retorno da sensibilidade e a paciente não poderá amamentar novamente futuramente. Mas esse é assunto para um próximo post, quando abordaremos as mamoplastias redutoras.

Para elevarmos as aréolas durante a mastopexia, mantemos um pedículo de vasos sanguíneos que nutrirão o mamilo. É uma faixa de tecido que sempre será mantida e garantirá a manutenção parcial ou total da sensibilidade e a possibilidade de amamentações futuras. Portanto, ela não será totalmente retirada, uma parte dela continuará conectada à mama até que todo o restante esteja cicatrizado.

 

 

 

 

QUAL É A ANESTESIA UTILIZADA NAS MASTOPEXIAS?

 

 

 

 

Esse é um assunto muito importante e que causa muito medo entre as mulheres. O medo da anestesia!

Mas, com o avanço da tecnologia médica e dos equipamentos dos anestesistas, a anestesia se tornou extremamente segura. Para garantir ainda mais a segurança do paciente, solicitamos diversos exames antes da cirurgia que apenas será realizada se todos os resultados estiverem normais.

Portanto, a anestesia é um momento de relaxamento, em que a paciente permanecerá dormindo calmamente e sem dor enquanto todo o procedimento é realizado.

Basicamente, optamos por 2 tipo de anestesia para a mastopexia:

  • Anestesia Local com Sedação
  • Anestesia Geral

http://www.marladeaguiar.com.br/os-diferentes-tipos-de-anestesia/

 

 

 ANESTESIA LOCAL COM SEDAÇÃO PARA A MASTOPEXIA

Nos dois tipos de anestesia, uma medicação pré-anestésica será realizada ainda no quarto do Hospital, antes de a paciente ser conduzida ao centro cirúrgico. É um sedativo, aplicado via intramuscular, geralmente na região dos glúteos. Ele auxiliará a paciente a relaxar e retirar toda a tensão que envolve os momentos imediatamente antes da cirurgia.

No centro cirúrgico, o anestesista realizará toda a monitorização cardíaca e respiratória e iniciará sedativos mais potentes via endovenosa. Nesse momento, a paciente conseguirá dormir profunda e tranquilamente.

O anestesista permanece ao lado da paciente durante toda a cirurgia. Nesse tipo de anestesia, a paciente permanece respirando espontaneamente, não sendo necessária a intubação orotraqueal.

Uma solução de anestesia é infiltrada nas mamas de modo indolor, para garantir que a paciente nada sentirá durante toda a cirurgia.

Logo após o término do ato operatório, realização de todos os curativos e colocação dos sutiãs cirúrgicos, o anestesista irá retirar as medicações sedativas e, aos poucos, a paciente irá acordar, como se estivesse retornando de um sono mais profundo.

Permanecerá em observação dentro do centro cirúrgico, numa sala chamada recuperação pós-anestésica durante um tempo médio de 60 a 100 minutos, até que esteja totalmente consciente. E, então, será conduzida ao quarto hospitalar novamente onde poderá se alimentar, ficar com seus familiares e realizar o repouso necessário antes da alta médica.

 

ANESTESIA GERAL PARA A MASTOPEXIA

É uma anestesia muito segura, apesar do medo que as pacientes tem em relação à ela. Geralmente, é indicada para mulheres com grande volume de mamas ou que apresentem algum problema de saúde que precisem desse tipo de anestesia.

A anestesia geral é composta por 3 etapas:

  • Sedação: para a paciente dormir calmamente enquanto todo o procedimento é realizado
  • Analgesia: medicações para que a paciente não sinta nenhum dor durante a cirurgia
  • Relaxamento muscular: medicações para relaxar a musculatura.

Para esse tipo de anestesia, toda a ventilação respiração da paciente serão controladas pelo anestesista. Uma sonda, chamada tudo endotraqueal, será passada e enviará oxigênio diretamente aos pulmões.

Todo o restante da anestesia será realizada da mesma forma que a anestesia local com sedação. As medicações sedativas apenas serão desligadas após o término da cirurgia e colocação de sutiã específico. Também ficará em observação na recuperação pós-anestésica e, logo posteriormente, será conduzida ao quarto.

 

 

 

QUANDO A PRÓTESE SERÁ NECESSÁRIA NUMA MASTOPEXIA?

 

 

 

 

Há 2 indicações importantes para a inclusão de implantes mamários durante a mastopexia:

  • Quando a paciente desejar aumentar o volume das mamas;
  • Quando a paciente desejar um formato de mama mais redondo, com colo mais aparente.

 

 

AS PRÓTESES NA MASTOPEXIA PARA AUMENTAR O VOLUME DAS MAMAS

Há muitas pacientes que queixam-se de sobra de pele nas mamas e falta de volume. Estas são as candidatas ideais para as próteses. Nesse caso, iremos retirar o excesso de pele, reposicionar as glândulas mamárias e incluir as próteses de silicone.

Uma atenção especial deverá ser dada! A mastopexia com próteses não é igual à inclusão de próteses mamárias apenas. Digo isso pois tenho muitas pacientes que dizem: “minha amiga colocou próteses e disse para eu escolher tamanhos sempre maiores pois posso achar pequeno e me arrepender depois”.

Prótese de mama não é igual Mastopexia com próteses!

Quando a paciente não tem tecido mamário nenhum e apenas irá colocar as próteses, o volume total das mamas será equivalente ao dos implantes mamários.

Mas isso não acontece com a Mastopexia, pois iremos aproveitar toda a mama que a paciente já possui. Iremos reposicionar esse tecido mamário E acrescentar uma prótese de mama. Portanto, se optarmos por uma prótese de 220ml, esse volume poderá não ser pequeno, pois devemos acrescentar o volume das glândulas que a paciente já tem.

 

 

Também precisaremos pensar que a pele da paciente que precisa realizar uma mastopexia não consegue segurar muito volume (pois ela não aguentou apenas o volume de mamas da paciente, imagina de uma prótese grande!). É comum que essa pele apresente estrias e seja fina, demonstrando que é mais fraquinha. Portanto, é importante não exageramos no volume das próteses para que as mamas não voltem a cair em pouco tempo após a cirurgia.

AS PRÓTESES NA MASTOPEXIA PARA DEFINIR O COLO

 

Durante a consulta médica, costumo mostrar diversas imagens para as pacientes para que consiga definir o que elas acham belo, bonito e gostariam de ter para si. Há as pacientes que se encantam pelo formato de mamas mais natural. Já outras, gostariam muito de ter um colo mais marcado e redondinho.

Logo após a cirurgia, todas as pacientes apresentarão um colo mais cheio. Isso ocorre devido ao reposicionamento glandular realizado durante o procedimento e inchaço resultante. Conforme o passar dos meses, esse colo tende a diminuir. Ele se torna mais natural nas pacientes que optaram por mastopexia sem próteses.

As próteses, nesse caso, irão preencher o pólo superior das mamas garantindo que, mesmo com o passar dos meses, elas sempre estejam mais “redondinhas” e com colo mais definido. Para esses casos também, as próteses não precisarão ser de grande volume; mas precisarão ter o formato redondo.

 

 

 

 

 

 

QUAIS SÃO AS CICATRIZES DA MASTOPEXIA?

 

As pacientes que serão submetidas à mastopexia devem conhecer as cicatrizes e saber exatamente como elas irão se comportar. Se você tem uma cicatriz qualquer, seja a de cesariana, deverá se lembras de que ela passou por etapas. No início, ela era mais evidente pois era avermelhada e chegava até a ser mais dura. Com o passar dos meses, foi se tornando mais fina e discreta até parar de te incomodar. Pois bem, todas as cicatrizes se comportam dessa forma. Vamos falar um pouquinho mais sobre elas:

 

FASES DA CICATRIZ

 

  • Imediata – Se inicia logo após o procedimento. Ela estará bem fininha e do mesmo tom da pele. Com duração de aproximadamente 10 dias.
  • Recente – De 10 dias até 12 meses. A cicatriz fica mais avermelhada e pode até se tornar mais elevada. A coloração avermelhada se dá devido a um maior número de vasos sanguíneos que migram para a região para auxiliar no processo de cicatrização. Mas eles desaparecerão após o primeiro ano e deixarão a cicatriz mais discreta.
  • Tardia – Após 12 a 18 meses. A cicatriz volta a ser bem fina e do mesmo tom da pele ou um pouco mais clara. Esperamos que, a partir desse período, ela se torne pouco perceptível e não incômoda à paciente. Portanto, a cicatriz final apenas será alcançada após um período médio de 1 ano. Portanto, devemos dar tempo ao tempo!

 

 

Para todas as nossas cicatrizes, usaremos cuidados específicos com curativos e óleos para garantir o melhor resultado.

Utilizamos curativos com fitas adesivas que funcionam como “ponto falso”, aproximando a cicatriz, retirando a tensão da pele durante o período de recuperação sem deixar marcas. Durante o primeiro mês, nossa Equipe realizará os curativos a cada 10 dias. Posteriormente, ensinaremos a paciente a realiza-lo em casa durante os primeiros 3 meses. Após esse período, a cicatriz já estará bem fina, mas ainda manterá a cor avermelhada. Portanto, indicamos massagens com óleos clareadores que deverão ser passados diariamente no primeiro ano.

 

                             

Cada paciente apresenta um tipo de mama, de pele e de glândula mamária. Para cada uma delas, a técnica ideal deverá ser indicada e os formatos de cicatrizes possíveis serão:

 

 

MASTOPEXIA COM CICATRIZ EM T INVERTIDO

É a mais comum. A cicatriz em volta da aréola é necessária para que ela possa ser elevada até a posição ideal. A cicatriz vertical é importante para retirar o excesso de pele e aproximar os dois pilares das mamas; enquanto a cicatriz horizontal deverá ficar localizada no sulco mamário e é essencial para retirar o excesso de tecido e glândula mamária que estavam “caídos”.

A cicatriz horizontal será pouco visível, pois fica localizada bem no sulco inframamário. Para as demais cicatrizes, precisaremos tomar todos os cuidados necessários para que, após todo o período de cicatrização, se tornem bem pouco perceptíveis.

 

 

 

MASTOPEXIA COM CICATRIZ EM L

É indicada principalmente para paciente com ptose grau II e grande componente glandular na lateral das mamas. É bem parecida com a cicatriz em “T” invertido; porém, a cicatriz no sulco mamário será apenas na lateral.

Ideal para as pacientes que gostam de decotes profundos e não possuem ptoses mamárias mais intensas.

 

 

 

MASTOPEXIA COM CICATRIZ PERIAREOLAR

Para pacientes com pseudoptose ou ptose grau I. O excesso de pele poderá ser retirado apenas ao redor da aréola. O inconveniente dessa técnica é que não será possível a remodelação e reposicionamento do tecido mamário; apenas a retirada de pequena a moderada quantidade de pele.

 

 

MASTOPEXIA COM CICATRIZ EM “PIRULITO”

Também é indicada para pacientes com ptoses grau I ou pseudoptose e que optaram pela inclusão dos implantes mamários. É possível a remodelação glandular e retirada de quantidade pequena a moderada de sobra de pele. A cicatriz será a periareolar + cicatriz vertical.

 

 

 

QUAIS OS CUIDADOS QUE DEVO TOMAR APÓS A MASTOPEXIA?

 

Essa é uma etapa muito importante e precisaremos muito do apoio de vocês para garantirmos o nosso sucesso cirúrgico!

Então vamos lá para os principais cuidados recomendados:

 

 

PRIMEIROS 15 DIAS-

  • não dirigir
  • não dormir de lado nem de bruços
  • não elevar os braços além da altura dos ombros
  • não levantar pesos
  • não realizar atividades físicas
  • não retirar o sutiã cirúrgica (apenas para tomar banho)

                     APÓS 15 DIAS

  • poderá iniciar musculação de membros inferiores
  • poderá dirigir carros automáticos

 

 

 

PRIMEIROS 30 DIAS-

  • não dormir de lado nem de bruços
  • não elevar os braços além da altura dos ombros
  • não levantar pesos

                                    APÓS 30 DIAS

  • poderá iniciar atividades físicas de forma gradual
  • poderá dormir de lado
  • poderá retirar o sutiã cirúrgico e utilizar sutiãs comuns (exceto aqueles com grandes enchimentos nas laterais)

 

 

PRIMEIROS 3MESES-

  • não realizar exercícios que balancem muito as mamas (como corrida, pular corda, andar a cavalo ou realizar burpees)
  • não dormir de bruços

                           APÓS 3 MESES

                                           VIDA NORMAL!!!

 

 

 

 

            É isso aí, meninas! Espero ter esclarecido as principais dúvidas de vocês em relação à mastopexia e mostrar que não se trata de um “bicho de 7 cabeças” e que a cicatriz existe sim, mas que se for muito bem cuidada, poderá ficar praticamente imperceptível.

               ABRAÇOS A TODAS E DEIXEM SEUS COMENTÁRIOS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *