MAMOPLASTIA REDUTORA COM PRÓTESES. UMA CONTRADIÇÃO?

Tempo de leitura: 7 minutos

            Você já ouviu dizer que uma conhecida reduziu o volume das mamas e adicionou próteses na mesma cirurgia?

 

            E você se perguntou         “Mas, então, porque diminuir se irá aumentar com próteses”?

            E eis o nosso tema de hoje!

            Vamos lá?

 

O PORQUÊ DA MAMOPLASTIA REDUTORA COM PRÓTESES

 

A mamoplastia redutora é a cirurgia plástica que tem como objetivo reduzir o volume mamário, elevar a posição das aréolas e remodelar a mama restante, a deixando mais “redondinha”.

 

Na maioria dos casos, é realizada sem as próteses de silicone, pois tem como principal objetivo de eliminar os incômodos comuns em quem tem mamas muito grandes:

 

  • Dores frequentes nas costas;

  • Dificuldade para encontrar roupas que caiam bem;

  • Queda precoce das mamas;

  • Aparência de aumento de peso.

 

 

 

 

 

Massss…….   Acontece que chegamos nas Eras das Próteses de Silicone!

 

E quem é que não ama essas redondinhas??

 

 

                     Antigamente, por volta dos anos 90 e início dos anos 2000, muitas mulheres tinham o desejo de aumentar o volume mamário. Mas também desejavam que esse aumento fosse bem natural e que ninguém percebesse que elas possuíam próteses.

                        Após esse período, chegamos aos anos 2005 a 2010, quando as mulheres passaram a considerar extremamente belos os seios fartos e bem marcadinhos, bem “bolinhas” e tinham que ter “cara de prótese”!   E os volumes foram aumentando e aumentando, passando dos 500ml em muitos casos!

                        Após os anos 2015, os volumes das próteses passaram a diminuir gradualmente. As mulheres continuam achando belíssimo possuírem próteses, mas querem um resultado belo e sem exageros.

 

 

                        Assim, passamos a considerar extremante belo as mamas mais redondinhas, com colo mais definido e consistência um pouco mais firme.

                        E, mesmo as mulheres que desejam reduzir o volume de suas mamas, querem muito que elas fiquem posteriormente com essas características.

                       

                        Porém, não são todos os casos que tem indicação de mamoplastia redutora que terão também indicação para as próteses!

 

 

 

            Os implantes de silicone não serão bem vindos nos seguintes casos:

 

  • Quando a paciente não deseja ter próteses;

  • Quando a consistência de suas mamas forem bem firmes e não houver dificuldade para conseguir o formato e textura desejados pela paciente;

  • Mulheres mais maduras que não querem se preocupar com futuras trocas de próteses;

  • Mamas muito grandes, tamanhos 50, 52 e até 54, em que as próteses poderão ocasionar complicações no período pós-operatório.

 

 

COMO A MAMOPLASTIA REDUTORA COM PRÓTESES É REALIZADA?

 

 

A anestesia, para a maioria dos casos, é a geral, por ter mais segurança para esse tipo de cirurgia. Tudo é realizado com a paciente dormindo tranquilamente e sem sentir dor alguma.

Inicialmente, são realizadas as incisões na pele. São os cortes necessários para as cirurgias e que, posteriormente, darão origem às cicatrizes. A cicatriz mais comum nesses casos é a em “T” invertido + periareolar.

Posteriormente, é retirado o excesso de tecido mamário. A quantidade a ser retirada dependerá muito do desejo que a paciente manifestou durante a consulta médica e toda a conversa que teve com seu cirurgião plástico. Tenho certeza de que chegarão a um consenso antes da cirurgia para que fique muito feliz após o resultado final!

 

            A terceira etapa consiste no remodelamento da mama. O cirurgião deve dar pontos na glândula mamaria e na musculatura para deixar as mamas no formato desejado. Procuramos reduzir o tamanho das bases para que fique com um formato mais belo e redondinho.

 

            E, então, as aréolas serão reposicionadas conforme medidas realizadas previamente com canetas de marcação cirúrgicas próprias.

            No caso de haver a inclusão das próteses, elas serão colocadas logo após a retirada do excesso de tecido mamário. E essa é a grande diferença entre a mamoplastia redutora com e sem próteses: A QUANTIDADE DE TECIDO MAMÁRIO A SER RETIRADA.

            O que costumo dizer muito no consultório médico é que não sabemos o dia de amanhã. Nesses casos, não recomendo próteses grandes pois, dessa forma, para chegarmos ao volume final desejados, precisaremos retirar uma grande quantidade de mamas naturais da paciente.

 

            E se no futuro a paciente não desejar mais ter próteses? Se tivermos escolhido volumes grandes, ela terá pouquíssimo volume mamário próprio e, talvez, não fique satisfeita com o resultado sem próteses.

            Então, não vamos exagerar! O objetivo aqui é deixar a mama com colo mais marcado, consistência mais firme e mais bonita. Não é TROCAR MAMAS POR PRÓTESES!

            A cirurgia consiste no remodelamento da mama existente + a adição de próteses de mamas. Então, as próteses entre 200 e 265 serão excelentes e poderão até deixar as mamas bem volumosas, caso seja o desejo da paciente.

 

 

MAMOPLASTIA REDUTORA COM PRÓTESES TEM MAIS RISCOS NO PÓS-OPERATÓRIO?

 

Estamos falando de próteses que são produtos artificiais que são colocados em nosso organismo. Claro que tivemos um avanço gigante na medicina e nos fabricantes de prótese fazendo com que elas se tornem extremamente seguras.

Mas, como todas sabemos, elas tem riscos de complicações.

 

E, para a mamoplastia redutora, o principal temor dos cirurgiões é em relação à contaminação das próteses que podem ocorrem em casos de mamas extremamente volumosas.

O tecido mamário não é constituído apenas por glândulas mamárias. Ele também é constituído (e em sua maior parte) por gordura. Toda vez que “cortamos” uma célula de gordura, ela libera uma substancia oleosa e gordurosa, como um azeite.

 

E, na mamoplastia redutora, esse líquido oleoso pode continuar vazando na área cirúrgica abordada durante a primeira semana.

Esse líquido, quando se acumula em grande quantidade, pode vazar pela cicatriz cirúrgica. Quando não há próteses, não há problemas. É só realizar uma drenagem para que ele saia por completo e logo cicatrizará.

Mas, quando há uma prótese no lugar, pode ocorrer o risco de contaminação e infecção dos implantes mamários. E, nesse caso, a solução poderá ser a retirada desses implantes e permanecer sem eles por até 6 meses.

Mas, se a paciente tem mamas bem volumosas e mesmo assim gostaria de próteses bem marcadinhas, é sim possível! Indicamos que a cirurgia seja realizada em 2 etapas:

  1. A primeira para redução do volume mamário e remodelamento das mamas;

  2. A segunda para a inclusão dos implantes mamários após 3 a 6 meses.

 

 

 

Assim, conseguiremos atender aos desejos da paciente com muito mais segurança!

 

 

 

AS MAMAS DA MAMOPLASTIA REDUTORA COM PRÓTESES CAEM MAIS RÁPIDO?

Muito provavelmente, se a paciente está procurando pela mamoplastia redutora, ela não está insatisfeita apenas com o volume excessivo das mamas. Ela também deseja levantá-las.

Isso porque a sua pele não suportou o volume excessivo de suas mamas e foi cedendo lentamente.

Agora! Saiba que as próteses também pesam! E podem pesar até mais que as glândulas mamárias (glândulas de mulheres por volta dos 20 pesa mais que das mulheres por volta dos 40).

Se a pele das mamas não suportou o peso da própria glândula, imagina se acrescentarmos ainda peso a mais!

 

Por isso, mais um motivo para não extrapolarmos nos volumes. Não há necessidade!

 

 

 

ESPERO TER ESCLARECIDO MUITAS DE SUAS DÚVIDAS!

                                                ATÉ A PRÓXIMA!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *