AS MUDANÇAS QUE OCORREM NO CORPO APÓS A GRAVIDEZ E NINGUÉM TE CONTA

Tempo de leitura: 15 minutos

Os meses passaram e os quilos a mais naturalmente chegaram. Cinderela não sabia mais o que eram inchaços, bebê ou excesso de gordura mesmo. Mas esperava que após o nascimento da criança tudo voltaria ao normal e sua auto-estima logo reapareceria.

 

Pois bem, o bebê nasceu e a alegria contagiou todo o castelo! Um belo menino, de bochechas rosadas e saudável! Cinderela ficou em 2º plano; quem a via logo já ia perguntando sobre o lindo menino e sua beleza estonteante já nem era mais notada.

 

Decidiu, então, correr atrás do prejuízo. Ordenou que a trouxessem apenas frutas e saladas e contratou um personal trainer para orientá-la em seus exercícios matinais diariamente. Porém, por mais que se esforçasse, a cinturinha não voltara mais ao que era e, mesmo após a amamentação, suas mamas já não possuíam mais aquele turgor e belo aspecto de antes.

 

Passou então a usar roupas mais largas e senhoris que combinavam mais com a nova Cinderela que surgiu. Dessa maneira também, seu novo corpo ficaria escondido e ninguém precisaria saber exatamente da transformação ocorreu. Mas não se escondeu apenas das pessoas, passou a evitar os espelhos e se sentia mal ao ficar nua até diante de seu marido. Assumiu inteiramente o papel de mãe e preferiu esquecer-se de si mesma.

 

Mas, antes mesmo de o pequeno príncipe completar seu primeiro ano, recebeu a visita de sua tão querida fada madrinha. Ela veio assim que pode para conhecer o bebê; mas também queria muito rever sua afilhada tão querida. E o que encontrou não foi bem o que desejava. Uma Cinderela aparentando ter pelo menos 10 anos a mais do que tinha, cabelos presos sem nenhum cuidado, roupas largas e sem vida.

Ah… A sábia Fada Madrinha já sabia do que se tratava. Após umas leves rodadas na sua varinha de condão, fechou a musculatura abdominal que tinha se abrido durante a gestação, retirou o excesso de pele abdominal e reposicionou as mamas de nossa querida Cinderela! Sim! Agora sim ela voltou a ser radiante, principalmente após ter sua auto-estima devolvida.

Passou novamente a usar o seu tão belo vestido azul e passear com seu filho alegremente pelos jardins do castelo!

 

Mas, e para nós? Reles mortais que não temos uma fada madrinha. Ou, podemos até ter alguma, mas elas não vem com varinha mágica capaz de colocar tudo de volta no lugar.

 

Por isso, irei explicar um pouco mais sobre as alterações que uma gestação pode causar no corpo materno e as possibilidades da cirurgia plástica para corrigir e colocar tudo de volta no lugar. Vamos lá?

 

 

 

O QUE A GRAVIDEZ CAUSA NO ABDÔMEN?

Todos já sabem que a pele da região abdominal precisa se esticar durante a gestação. Nesse período, podem surgir estrias e a pele se enfraquecer.

 

ALTERAÇÕES DA PELE DO ABDÔMEN APÓS A GRAVIDEZ?

 

Os danos causados à pele da região abdominal dependerá da qualidade da pele da mulher e do aumento de peso durante a gestação. Também não poderemos esquecer da genética de cada um. Se a sua mãe não teve estrias e a pele de seu abdômen voltou rapidamente ao normal, o mesmo poderá ocorrer com você.

 

Grandes estiramentos da pele podem ser causados por excessivo aumento de peso durante a gestação. Nesse momento, as estrias poderão aparecer.

 

  • ESTRIAS são cicatrizes formadas na pele quando ocorre uma ruptura das fibras elásticas por excessivo estiramento.

Como eu disse, estrias são cicatrizes e, infelizmente, elas não desaparecerão mais. Por isso, orientamos hidratação da pele abdominal durante a gravidez para evitar que elas apareçam. Mas nem sempre a hidratação conseguirá evitá-las.

 

Inicialmente, as estrias se aparecem avermelhadas e até vinhosas. Com o passar do tempo elas ficam esbranquiçadas e dão um aspecto irregular à pele do abdômen.

 

Após o nascimento do bebê, poderemos indicar ácidos e carboxiterapia para melhorar a aparência delas. Para casos em que além das estrias também sobrou um excesso de pele, poderemos pensar na abdominoplastia para retirar a pele e as estrias que estiverem incomodando.

 

Mas é importante saber que apenas as estrias localizadas abaixo do umbigo poderão ser eliminadas com a abdominoplastia.

 

  • EXCESSO DE PELE

Logo após o parto, a sobra de pele ainda não será notada. Isso ocorro pois o útero materno ainda continua muito volumoso e dá a impressão de que a mãe ainda está gestante de uns 3 meses.

Com o passar das semanas e a amamentação, o útero retorna ao volume normal e aí sim a pele excessiva poderá aparecer.

 

Parabéns às mamães que não ficaram com sobra de pele. Mas isso é exceção. O mais frequente é que a pele passe a incomodar. Esse excesso poderá ser leve, moderado ou intenso (quando forma uma dobra na região inferior do abdômen, semelhante a um “avental”).

 

Também é comum uma falsa sensação de sobra de pele. Isso ocorre quando a mãe foi submetida a uma cesariana e, meses depois, a cicatriz se tornou mais grossa e retraída (“funda”). Devido à isso, a pele acima da cicatriz fica “gordinha” e abaulada, como se estivesse em excesso. Nesses casos, apenas a correção da cicatriz da cesariana poderá resolver.

 

 

QUAIS ALTERAÇÕES OCORREM NO FORMATO DO ABDÔMEN APÓS A GRAVIDEZ?

É muito comum as queixas das mamães em relação à mudança do formato do abdômen. Elas reclamam de que, mesmo após terem retornado ao peso de antes a cinturinha desapareceu e o abdômen ficou constantemente abaulado, projetado para a frente, como se ainda estivessem grávidas.

 

Isso ocorre devido ao que chamamos de diástase da musculatura reto abdominal que significa uma abertura na musculatura do abdômen. Durante a gestação, a musculatura do abdômen precisa se abrir para acomodar o crescimento da criança. E, é muito comum que essa musculatura não retorne à posição normal mesmo após dar à luz.

A solução para esses casos é o fechamento dessa musculatura, tecnicamente chamado de plicatura da musculatura reto abdominal. Esse fechamento é realizado durante a abdominoplastia ou miniabdominoplastia através de fios cirúrgicos específicos.

 

 

Mesmo pacientes que apresentam diástase muscular mas não tem sobra de pele podem realizar essa plicatura. Para isso, precisaremos realizar uma cicatriz semelhante à de uma cesariana para termos acesso à musculatura e podermos realizar a sua correção

 

 

 QUAIS AS SOLUÇÕES PARA CORRIGIR O ABDÔMEN APÓS A GRAVIDEZ?

 

Basicamente há 3 possibilidades de cirurgias plásticas para melhorar a região:

 

  • ABDOMINOPLASTIA: A pele retirada estará entre o umbigo e a região acima do púbis. A cicatriz resultante será na mesma altura de uma cicatriz de cesariana, porém precisará se estender para as laterais para que todo o excesso de pele possa ser retirado. Além da correção do excesso de pele, também será corrigida a diástase muscular. As estrias localizadas abaixo do umbigo serão retiradas. Para essa cirurgia, recomendamos a anestesia peridural com sedação (a mesma da cesariana, porém a paciente permanece dormindo durante toda a cirurgia) ou geral para casos específicos.

 

 

Tudo o que você precisa saber antes de realizar uma abdominoplastia!

  • MINIABDOMINOPLASTIA: Quando o excesso de pele não é suficiente para a realização da abdominoplastia clássica. A pele retirada será um pequeno fuso localizado acima da região do púbis (as estrias localizadas nessa porção serão retiradas). A cicatriz resultante será semelhante a de uma cesariana, porém um pouco maior. A diástase muscular também poderá ser corrigida através dessa cirurgia. Para essa cirurgia, também recomendamos a anestesia peridural com sedação (a mesma da cesariana, porém a paciente permanece dormindo durante toda a cirurgia) ou geral para casos específicos.

 

 

  • CORREÇÃO DE CICATRIZES: Quando há uma falsa sensação de sobra de pele acima da cicatriz de cesariana. Isso ocorre quando a cicatriz apresenta-se mais grossa e “funda”. Para esses casos, a correção da cicatriz poderá ser suficiente. Essa correção poderá ser realizada no próprio consultório sob anestesia local.

 

 

O QUE A GRAVIDEZ CAUSA NAS MAMAS?

 

E eis aqui a segunda grande preocupação das mamães. As mamas que mudaram de consistência, lugar e até mesmo se tornaram super diferentes uma da outra! Vamos explicar direitinho o que ocorre:

A amamentação após cirurgias nas mamas

QUAIS ALTERAÇÕES OCORREM NAS MAMAS APÓS A GRAVIDEZ?

 

As mamas são constituídas, de fora para dentro, de pele, tecido celular subcutâneo, gordura, glândulas mamárias e musculatura. As glândulas mamárias constituem os lóbulos produtores de leite que se ligam aos ductos. Os ductos são como “canudinhos” por onde o leite é transportado. Os ductos se confluem e saem na papila mamária (mamilo do seio) e, é por ali que, através da sucção do bebê o leite será expelido.

Os dois fatores principais que irão influenciar na mudança das mamas são: o aumento de peso que houve durante a gestação e a tendência familiar a aumentar muito o volume mamário durante a gestação e amamentação. Com o aumento de peso, a gordura mamária também aumenta o que faz a pele da mama se esticar muito e aumenta o peso dela, facilitando à queda. O mesmo ocorre quando a mamãe tem uma tendência a produzir muito leite. Os lóbulos ficar muito grandes aumentando muito as mamas.

 

Assim como no abdômen, grandes estiramentos da pele podem ser causados por excessivo aumento das mamas e as estrias poderão aparecer:

 

  • ESTRIAS são cicatrizes formadas na pele quando ocorre uma ruptura das fibras elásticas por excessivo estiramento.

 

Como eu disse, estrias são cicatrizes e, infelizmente, elas não desaparecerão mais. Por isso, orientamos hidratação da pele das mamas também durante a gravidez para evitar que elas apareçam. Mas nem sempre a hidratação conseguirá evitá-las.

 

Inicialmente, as estrias se aparecem avermelhadas e até vinhosas. Com o passar do tempo elas ficam esbranquiçadas e dão um aspecto irregular à pele mamária.

 

Após a parada da amamentação, poderemos indicar ácidos e carboxiterapia para melhorar a aparência delas. Para casos em que além das estrias também sobrou um excesso de pele, poderemos pensar na plásticas mamárias para a retirada dessas peles incômodas.

 

Mas é importante saber que apenas apenas as estrias localizadas na porção inferior das mamas poderão ser eliminadas.

 

  • DIFERENÇA ENTRE AS MAMAS

Sim, é muito comum que as mamas se tornem diferentes uma da outra após a amamentação. Se elas eram iguais anteriormente, leves diferenças poderão aparecer. Se elas já eram um pouco diferente, essas assimetrias poderão incomodar ainda mais.

 

Isso geralmente ocorre porque, por mais que os pediatras orientem sempre amamentar igualmente cada seio, nem sempre isso é possível e as mães acabam elegendo uma mama como a mais alimentadora de seu filho. Sabiam que é mais comum a mama esquerda se tornar a maior? Como a maioria das mães são destras, elas preferem deixar o bebê amamentando na mama esquerda para ficar com a mão direita livre para realizar outras funções dentro de casa.

 

 

  • EXCESSO DE PELE

Logo após o parto e durante a amamentação, pouca diferença mamária será notada. Isso porque as mamas ainda estarão túrgidas e cheias escondendo a sobra de pele.

Recomendamos aguardar no mínimo 6 meses após a interrupção da amamentação para analisarmos o que realmente ocorreu com as mamas e podermos indicar as soluções. Esse tempo é muito importante pois durante esses meses as mamas ainda passarão por grandes transformações. Se realizarmos a cirurgia precocemente, as mamas ainda poderão reduzir de volume e se tornarem até mais diferentes uma da outra.

 

  • ARÉOLAS

Sim, elas podem ter aumentando muito e se tornado mais escuras e cheias de “bolinhas” não é mesmo? Essas “bolinhas” são os Tubérculos de Montgomery, pequenas glândulas localizadas na periferia das aréolas.

 

As aréolas aumentam proporcionalmente ao aumento da mama com a função de melhor amamentar o filho. Porém, o aumento excessivo pode causar muito incômodo.

 

Mesmo se a queixa for específica apenas das aréolas elas poderão ser corrigidar isoladamente. Utilizamos um molde, parecido com um aro, chamado areolótomo. Através deles, conseguimos deixar as aréolas redondinhas e no tamanho certo!

 

 

QUAIS AS SOLUÇÕES PARA CORRIGIR AS MAMAS APÓS A GRAVIDEZ?

 

Basicamente há 3 possibilidades de cirurgias plásticas para melhorar as mamas:

 

  • PRÓTESES DE MAMAS: Para pacientes que queixam-se apenas de falta de volume ou de leves quedas mamárias após a amamentação. O tamanho das aréolas também poderá ser corrigido durante a cirurgia para inclusão de implantes mamários de silicone.

7 DICAS INFALÍVEIS QUE NÃO PODEM SER DEIXADAS DE LADO NA ESCOLHA DA PRÓTESE IDEAL

  • MASTOPEXIA: É a cirurgia plástica responsável pela retirada do excesso de pele e reposicionamento da glândula mamária. Se a paciente estiver satisfeita apenas com o volume mamário que já tem, não precisaremos utilizar próteses (eu sempre pergunto se ela fica feliz com o volume mamário que tem quando está com sutiã. Se estiver feliz, não há necessidade de próteses). Mas, pacientes que desejam aumentar de volume ou queiram um colo mais marcado, precisaremos pedir auxílio aos implantes mamários de silicone.

 

  • MAMOPLASTIA: Já essa cirurgia é indicada para pacientes que, além de reposicionar o tecido mamário e retirar o excesso de pele, também desejam reduzir o volume mamário que possuem. Em todas essas opções cirúrgicas, conseguiremos também corrigir a assimetria mamária através de próteses diferentes (quando há apenas a necessidade de próteses) ou de retirada diferente de tecido mamário.

 

 

O QUE A GRAVIDEZ CAUSA NAS GORDURINHAS?

Há alguns estudos explicando que, durante a gravidez, ocorrem depósitos de gordura em algumas regiões do corpo materno para funcionarem como “reservas” de nutrientes ao filho. O problema é que nem sempre eles desaparecem após o nascimento do bebê.

 

O EXCESSO DE GORDURAS APÓS A GRAVIDEZ?

 

A gordura que ficou “acumulada” durante a gestação aos poucos será queimada, principalmente durante a amamentação e a prática de atividades físicas. Mas, alguns resquícios poderão sobrar nas cinturas, culotes, abdômen, braços, coxas…

Felizmente, Illouz descobriu a lipoaspiração na década de 1980. Trata-se da retirada de depósitos localizados de gordura através de pequenos cortes.

 

 

QUAIS AS SOLUÇÕES PARA CORRIGIR O EXCESSO DE GORDURA APÓS A GRAVIDEZ?

 

Basicamente há 3 subdivisões da lipoaspiração que você precisa saber:

 

  • LIPOASPIRAÇÃO CONVENCIONAL: Através de uma cânula acoplada a um sistema à vácuo, a gordura será aspirada das regiões. É possível realizar a lipoaspiração de diversas regiões do corpo como costas, cintura, sacro (porção acima do bumbum), bananinhas (porções abaixo do bumbum), abdômen, coxas, joelhos, braços… Mas é importantíssimo que haja uma precisa indicação para cada região. A lipoaspiração não pode ter “cara” de lipoaspiração. Ela deve esculpir o corpo e deixa-lo como se você tivesse nascido assim.

 

  • LIPOESCULTURA: Nessa modalidade, primeiro realizamos a lipoaspiração convencional. Posteriormente, a gordura retirada é tratada para ser novamente recolocada no corpo. Dessa maneira, retiramos gordura dos locais que a tem em excesso e a recolocamos em locais que tem falta. A isso chamamos de lipoenxertia. As regiões do corpo que geralmente precisam de mais volume são: glúteos, cicatrizes deprimidas e algumas regiões da face (como as maçãs do rosto e o queixo, por exemplo).

 

  • HIDROLIPOASPIRAÇÃO: Para pequenas áreas. É uma lipoaspiração realizada sob anestesia local. Poderá ser realizada no próprio consultório se o depósito de gordura for pequeno, como por exemplo nas axilas, “bolinhas” de gordura no abdômen, coxas, culores, “bananinhas”…

9 áreas de LIPO que podem ser realizadas no consultório e você não sabia!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *